Fillos na manifa do 18

Cuestións sobre o idioma dos nosos pais (significado de palabras, normativización, reintegracionismo, etc.).
Avatar do Utilizador
xestor
Mensagens: 1337
Registado: terça, 04 jan 2005, 19:34

Fillos na manifa do 18

Mensagempor xestor » domingo, 11 mai 2008, 18:37

A ver, compañeiros, os que teñades pensado asistir á como organización, poñédevos en contacto deixando unha mensaxe aquí para ver como e onde quedamos ese día. Téñense que ver as nosas bandeiras, camisetas e notar a presenza da colectividade da diáspora á que representamos, a esa Nación Mundial sen fronteiras pero unida pola cultura (e o idioma!!!!).

anavilat
Socio/a
Socio/a
Mensagens: 441
Registado: quarta, 17 mai 2006, 14:29

Fillos na manifa do 18

Mensagempor anavilat » domingo, 11 mai 2008, 18:44

Conta comigo.
Animadevos... temos que facernos ver e facer que nos oian!!!

Avatar do Utilizador
xestor
Mensagens: 1337
Registado: terça, 04 jan 2005, 19:34

Fillos na manifa do 18

Mensagempor xestor » quarta, 14 mai 2008, 09:40

Vaia, achégase o día e aquí nin Deus di nin pío :-((((

Avatar do Utilizador
xestor
Mensagens: 1337
Registado: terça, 04 jan 2005, 19:34

Fillos na manifa do 18

Mensagempor xestor » sexta, 16 mai 2008, 08:40

Trasmito datos que me fixeron chegar os da Mesa:

18 DE MAIO
MANIFESTACIÓN EN SANTIAGO DE COMPOSTELA
POLO DEREITO A VIVIRMOS EN GALEGO
12.00 horas - desde a Alameda até a Praza da Quintana

Participa e convida ás túas amizades!

Podes consultar aquí os autobuses gratuítos que saen das zonas para a
manifestación:
http://www.amesanl.org/18maio2008/medios.htm

Apoia o manifesto:
http://www.amesanl.org/18maio2008/apoios.htm

Ademais, A Mesa organiza en colaboración coa Consellaría de Cultura a
actuación de
PEIXE PEIXE, o día 18 de maio
ás 16.30 na Praza do Toural
(actuación circense e musical para nenos e nenas)

Imagem

bre0gan
Mensagens: 27
Registado: sábado, 01 mar 2008, 21:38

Fillos na manifa do 18

Mensagempor bre0gan » sexta, 16 mai 2008, 19:09

A min quédame afastada uns 1000 km e non poderei ir, pero paréceme unha iniciativa xenial.

silvine
Ex-membro
Mensagens: 159
Registado: quinta, 06 mar 2008, 02:59

Fillos na manifa do 18

Mensagempor silvine » domingo, 18 mai 2008, 04:19

Puede resultar contradictorio que estas palabras de aliento estén escritas en castellano.
Sin embargo, les pido que acepten que en este, mi idioma ?materno? (que fue el de mi madre, hija de galegos), me una a los justos reclamos por "el dereito de vivirmos en galego".

A miña terra no é a miña terra porque me pertenece, sino porque, tarde, pero no lo suficiente para que no pueda decirlo, yo le pertenezco, soy parte de ella.

A la hora en que comience la marcha, mi corazón y mi pensamiento estarán con quienes se expresen en la manifestación. Como los de muchos otros galegos esparcidos en la diáspora.

Espero que entiendan que, todavía, no me exprese en esa lengua que fue la de mis ancestros. Les aseguro que es por respeto y no falta de interés.

Unha forte aperta!

cachafeiro
Socio/a
Socio/a
Mensagens: 684
Registado: sábado, 29 mar 2008, 01:44

Fillos na manifa do 18

Mensagempor cachafeiro » segunda, 19 mai 2008, 03:01

Galegos da Galicia: nosotros, los que no pudimos participar personalmente de la marcha, lo hicimos desde el corazòn. Desde nuestro lugar de fillos de galegos, mantuvimos emails con nuestra comunidad galega para, de alguna manera, estar presentes. Si bien no me comunico con ustedes en tan fermosa fala, es simplemente por respeto a no hacerlo como corresponde. Como dije en otra oportunidad o galego que se fala na miña casa es o mesmo que teño aprendido do meus pais, unha fala de aldeia, y por respeto a los que lo hacen correctamente, me comunico con mi lengua de origen que no es la misma que la de mi corazòn. Con gran cariño y respeto: muchas gracias.

Meninhas d?A Corunha,

de amável despejo,

de falas graciosas

e passos ligeiros,

deixai de Castela

os duros acentos:

falade, meninhas,

falade galego.

Quando é que vos ouço,

a pátria esquecendo,

falar essas duras

palavras de ferro,

nom sei o que sufro,

nom sei o que peno:

falade, meninhas,

falade galego.

Mas quando falades

nos pátrios acentos,

envoltos no vosso

angélico alento,

parece que escuito

um canto do céu:

falade, meninhas,

falade galego.
(Eduardo Pondal)

Alejandra Cachafeiro Camiña

Avatar do Utilizador
xestor
Mensagens: 1337
Registado: terça, 04 jan 2005, 19:34

Fillos na manifa do 18

Mensagempor xestor » segunda, 19 mai 2008, 08:54

Ben, a presenza de Fillos foi escasa pero fixémonos notar coa bandeira da Nación Mundial Galega, pola que mesmo nos preguntaron algúns asistentes. Os que non se atrevían a preguntar, ficaban intrigados polo seu significado ;-)



Alí estivemos, berrando, cantando e chimpando! A ver se para outra vez somos máis, xentiña! ;-)

Avatar do Utilizador
xestor
Mensagens: 1337
Registado: terça, 04 jan 2005, 19:34

Fillos na manifa do 18

Mensagempor xestor » segunda, 19 mai 2008, 09:15

Copio nova ao respecto aparecida na prensa portuguesa:

Galiza: 25 mil pessoas em defesa da língua galega contra ofensiva do castelhano

** Vítor Pereira (texto) e João Miranda (Fotos) **

Santiago de Compostela, 18 Mai (Lusa) - Vinte e cinco mil pessoas manifestaram-se hoje em Santiago de Compostela, na Galiza, em defesa da língua galega, criticando a alegada tentativa estatal de impor o uso do castelhano naquela região autónoma espanhola.

"O que nós exigimos, acima de tudo, é o reconhecimento da condição internacional da nossa língua, que é falada por centenas de milhões de pessoas no mundo, quer como língua nativa, como é o caso dos galegos, quer como língua oficial de oito Estados", disse, à Lusa, Alexandre Banhos Campo, um dos principais mentores desta manifestação.

"A nossa língua não é regional nem dialectal, mas sim internacional. O galego é o português da Galiza, e o que nós queremos é que o galego se confunda com o português, mantendo, obviamente, as suas especificidades próprias", acrescentou.

Alexandre Campo, responsável da Associação Galega da Língua, recordou que o Norte de Portugal e a Galiza foram "o berço da lusofonia", frisando que "o português original era a língua que se falava no século IX entre as cidades do Porto e Santiago de Compostela".

Por isso mesmo, reiterou a necessidade de "o galego se confundir com o português", mantendo, no entanto, as suas especificidades próprias.

"No Rio de Janeiro fala-se de uma forma diferente da que se fala em Lisboa, mas ninguém duvida que são as duas português", frisou o activista galego.

A manifestação de hoje, que decorreu sob o lema "Pelo direito de vivermos em galego", juntou cerca de 500 associações, sindicatos e movimentos, tendo bloqueado por completo, durante quase duas horas, o trânsito no casco velho de Santiago de Compostela.

"A situação do galego é muito difícil, muito crítica, mas nós não vamos desistir da luta", garantiu Carlos Callón, da Mesa pela Normalização Linguística, outro dos organismos que liderou esta manifestação.

À Lusa, Callón disse que a Galiza "discrimina e persegue" quem opta por falar galego, referindo como exemplo o caso de uma juíza "que foi denunciada" porque escreveu uma sentença na língua daquela região autónoma.

Garantiu que há quem seja despedido ou não consiga um emprego porque fala galego, que há crianças que não são atendidas pelos pediatras pela mesma razão e que há mesmo pessoas que são "gozadas" no banco por não se expressarem em castelhano.

"O mais grave, e o mais preocupante, é o que acontece nas escolas, com as crianças com menos de seis anos, que pura e simplesmente não ouvem uma palavra de galego", acrescentou.

O castelhano e o galego são línguas oficiais de Espanha, mas em 2004 foi aprovado o chamado Plano de Normalização Linguística, a que Alexandre Campo prefere chamar "plano de substituição linguística".

"O que nós assistimos é a uma deriva de substituição linguística, uma brutal imposição do castelhano em tudo quanto é serviço público, para tornar o galego desnecessário e o reduzir a uma língua falada apenas em casa, em família. As autoridades e administrações públicas discriminam e perseguem aqueles ou não aceitam esta deriva. E isto nós não podemos tolerar", afirmou.

"O português da Galiza está numa situação muito difícil", alertou.

Os dados estatísticos mais recentes indicam que 90 por cento dos galegos com mais de 65 anos falam português da Galiza, mas essa percentagem é muito reduzida entre os que têm menos de 20 anos.

Alexandre Banhos Campo explicou esta situação salientando que "o processo de reconhecimento autonómico e político levou a uma espécie de oficialização da língua galega, mas o modelo que é imposto nas escolas e na comunicação social é baseado no padrão castelhano".

Para inverter esta tendência, os participantes nesta manifestação exigiram também a tomada de medidas para a recepção das rádios e televisões na Galiza, conforme proposta já aprovada no Parlamento espanhol.

"Queremos que essa proposta se efective desde já e que não se fique numa simples declaração, sem vontade real de a levar a cabo", disse Alexandre Campo.

Avatar do Utilizador
xestor
Mensagens: 1337
Registado: terça, 04 jan 2005, 19:34

Fillos na manifa do 18

Mensagempor xestor » segunda, 26 mai 2008, 10:26

Ben, vimos de atopar e unha páxina onde temos unha boísima escolma de aparicións na prensa e noutros medios sobre a manifestación. Recoméndovola! http://torrevixia.blogspot.com/


Voltar para “Lingua galega”

Quem está ligado:

Utilizadores neste fórum: Nenhum utilizador registado e 1 visitante